PRESENTE DE NATAL PARA CORREDORES: PORTA-MEDALHAS

porta-medalhas

A partir de hoje, vamos aproveitar a magia do mês de dezembro e dar boas dicas de presentes de Natal para corredores. Vai sem medo. Se seguir as dicas daqui, o corredor ou a corredora de sua vida vão se amarrar. E se o atleta, a atleta, for você mesmo, compartilhe o post com quem pode lhe presentear. Read More

ACESSÓRIOS PARA UMA BOA CORRIDA: QUANDO OPTAR POR UM TÊNIS MINIMALISTA?

adidas minimalista

Uma tendência do mercado esportivo vem fazendo a cabeça de alguns corredores. Calçados que simulam a sensação de estar correndo com os pés descalços, e que, ao mesmo tempo, protegem os atletas de eventuais riscos por correr sem um pisante. São os chamados tênis minimalistas. Eles têm o solado baixo, proporcionam mais contato com o piso e absorvem menos impacto durante a corrida.

Segundo a fisioterapeuta Fernanda Oaigen, da assessoria esportiva Just Run (Florianópolis), a diferença básica entre correr com um tênis comum de corrida e um minimalista está na forma como o corredor exercerá o movimento durante a corrida. “Os minimalistas tendem a imitar a pisada natural, com os pés descalços. Com eles, há uma tendência do corredor utilizar mais o antepé [ponta dos pés] durante a corrida”, diz.

“Assim, há uma menor ação na parte traseira do pé, sendo desnecessário um bom amortecimento nesta região, devido ao pouco contato do calcanhar com o solo durante a execução do movimento”, completa.

A fisioterapeuta explica que quando tocamos o chão com a parte frontal dos pés, naturalmente flexionamos os joelhos e amortecemos o impacto da corrida. Ao contrário do que acontece quando a pisada é com o calcanhar, já que as articulações da perna ficam mais estendidas e acabam sofrendo menos.

Apesar da mecânica da corrida minimalista exigir menos dos joelhos, ela pode acabar forçando a musculatura. “Uma mudança significativa é na maior solicitação dos músculos da perna, principalmente o Gastrocnêmio e o Sóleo, a famosa panturrilha. Com a corrida na ponta dos pés, essa região acaba sendo utilizada como amortecedor e propulsor do movimento”, explica o treinador Leonardo Marmitt, também da Just Run.

Por isso, ambos os especialistas não recomendam que corredores acima do peso ou que pretender percorrer grandes distâncias utilizem esse tipo de calçado. “Eu relaciono os tênis minimalistas a treinos de velocidade e de curta distância. Indicaria a corredores de baixo peso e sem problemas articulares prévios”, diz a fisioterapeuta.

O treinador Marmitt ressalta que os corredores que quiserem apostar em tênis minimalistas devem ter uma boa força muscular nos membros inferiores. Além de partir para treinos mais velozes. “Treinamentos mais rápidos e curtos são um bom caminho para uma possível transição do calçado com mais sola para os minimalistas. Dessa forma, o corredor poderá adaptar-se aos poucos a essa nova mecânica de corrida”, afirma.

De acordo com o diretor técnico da Butenas Assessoria Esportiva – de São Paulo (SP) –, Marcello Butenas, é importante fazer a transição de forma gradativa. “Quando o treino estiver acabando, coloque o tênis minimalista e corra por cerca de 10 minutos”, explica. “Se o corpo responder bem, aumente para 15, 20 minutos no próximo treino, sempre aos poucos, para que não ocorra nenhuma lesão.” Segundo Butenas, os calçados baixos não são indicados para corridas mais longas do que 45 minutos.

“Fundamental mesmo é o acompanhamento de um profissional capacitado para realizar essas observações, indicar o calçado ideal para seu tipo de pisada e mecânica de corrida. Isso facilitará o processo de evolução no esporte”, encerra Marmitt.

Matéria da revista O2 por Minuto.

A ENDORFINA E MAIS UM SHOW DE NOVIDADES. SE LIGA!

circuito das estaçoes

Volta Internacional da Pampulha

Estamos a exatamente um mês e meio do maior evento de corrida de rua de Minas Gerais. Os treinos entrarão em fase de intensificação a partir de agora. Para auxiliar nos treinos longos, já estamos trabalhando com dois pontos de apoio aos sábados, o tradicional PA1, próximo à entrada do parque ecológico e da Toca da raposa e o extra, PA2, próximo à AABB. O PA1 tem horário de atendimento no período de 7h45 às 11h e o PA2 de 8h às 10h30. Programe seu treino para usufruir deste suporte. 

Reserve as seguintes datas: Sábado, dia 5 de dezembro, teremos o almoço de massas pré-Volta da Pampulha e Domingo, dia 6 de dezembro, logo após a prova, o churrascão de confraternização de final de ano irá tomar conta da base Endorfina. Ambos eventos serão abertos a todos os Endorfinados e seus convidados, não somente aos que participarão da Volta da Pampulha.

Não esqueça de realizar a sua inscrição, os organizadores enviaram um comunicado dizendo que as vagas já estão acabando. Não fique de fora: www.voltadapampulha.com.br

Novo sistema de treinamento

Chegou a hora de migrar para o novo sistema de treinamentos. Com o objetivo de atualizar dados precisamos que faça novamente seu cadastro. A partir de Novembro, todos os treinamentos serão planejados e enviados através desta nova plataforma, acesse e cadastre-se:

clubeendorfina.treinus.com.br

Din Din Endorfina

O final de ano está ai e você acumulou muitos Din Dins da Endorfina. Para ajudá-lo a gastar, até o dia 30 de novembro todos os materiais da loja da Endorfina poderão ser pagos em até 50% com a nossa moeda oficial. Lembrando que 1 Din Din = R$0,20. Aproveite pois o estoque é limitado.

Prova do mês Novembro

No mês de novembro, a Endorfina estará com estrutura de atendimento aos alunos na prova Circuito das Estações, já estamos realizando as inscrições. Garanta o quanto antes a sua!

Inscrições até dia 21 de novembro pelo e-mail:adriana@clubeendorfina.com.br

 

ACESSÓRIOS PARA UMA BOA CORRIDA: MOCHILA DE HIDRATAÇÃO

mochila de hidratação

A mochila de hidratação foi criada por Roger Fawcett, nos anos 80. Fawcett morava em uma região muito quente, no oeste do estado do Texas (Estados Unidos), e andava de bicicleta quando criança. Carregava um cantil com pouca água que, inevitavelmente, ficava quente. A partir disso, teve a ideia de desenvolver uma mochila com um tecido especial, impermeável e térmico. Após alguns testes, conseguiu criar um produto que inicialmente foi adotado pelos ciclistas e depois migrou para outras modalidades, como corrida de rua, de aventura, trekking e também trilhas de moto. As mochilas de hidratação podem ser encontrados em lojas de produtos esportivos, com preços que variam de R$ 44,90 a R$ 486,90.

COMO USAR

Geralmente, as mochilas são utilizadas em provas longas para a pessoa não desidratar. Não há necessidade de usá-la em corridas curtas. Ela é usada nas costas como uma mochila normal. A diferença é que, nela, é acoplado um compartimento de água que pode armazenar de um a 12 litros (a capacidade varia conforme o modelo), e tem uma pequena mangueira com uma “torneira” por onde o líquido é consumido.

Quando for comprar uma mochila de hidratação, deve-se levar em conta alguns fatores: o esporte a ser praticado, a quantidade de carga a ser levada na mochila, o modelo que melhor se adequa à coluna e o tamanho do reservatório de água necessário. Algumas podem machucar e causar dor nas costas.

Com reportagem do site EU ATLETA.

 

ACESSÓRIOS PARA UMA BOA CORRIDA: 4 SUPER APLICATIVOS DE CELULAR

Você precisa comprar um relógio com GPS para monitorar seus treinos, mas o bolso não deixa? O problema não é tão grande quanto parece. Possivelmente, como grande parte da população, você já tem um smartphone e pode baixar aplicativos de corrida simplesmente fantásticos, que medem seu ritmo, o tempo, contam suas voltas – e ainda tocam músicas!

Hoje, para que você não saia procurando a esmo nas lojas de app, indicamos quatro aplicativos bem bacanas, com dicas extraídas do site Divas que Correm. Vamos lá?

INSTANT HEART RATE

insant heart hate

Encontre a sua frequência cardíaca em 15 segundos, simplesmente colocando o seu dedo sobre a lente da câmera do celular. Por meio de mudanças suaves de coloração da pele, o app detecta os batimentos cardíacos e registra a informação. Você precisa somente informar se os batimentos foram registrados durante um descanso, ao acordar, durante ou após a atividade física.

Pontos negativos: O app é todo em inglês e é complicado medir os batimentos durante o treino (principalmente se você estiver suado e for colocar o dedo molhado na lente da câmera do celular). A medição também não é exata, mas pode ajudar como “quebra-galho” se a sua intenção é pelo menos ter uma noção do seu condicionamento.

É possível compartilhar o resultado nas redes sociais (twitter, facebook) ou mandar via Gmail.

RUN PACE CALCULATOR

run pace calculator
É uma calculadora que mede a velocidade (pace), calorias gastas, distância e até a sua colocação em uma prova internacional (o app traz as informações dos primeiros colocados na meia maratonas da Disney, maratonas como Berlim, Rio e Praga e até o Ironman). A distância pode ser medida em Km ou milhas.Ajuda a calcular o pace que vc deve fazer para bater o seu recorde.Pontos negativos:  As informações das provas estão um pouco desatualizadas, somente três meias maratonas estão cadastradas e o app é todo em inglês.Não é possível compartilhar nas mídias sociais.

RUN KEEPER GPS CORRER CAMINHAR

run keeper

Registra o seu pace, distância, percurso e tempo. Oferece recursos motivacionais, como avisos quando você bate um recorde, informações de treinamento conforme o objetivo e opções de compartilhamento com os amigos.

Permite compartilhar nas mídias sociais e criar perfil público.

Um dos melhores aplicativos que existem, bem intuitivo e disponível em diversos idiomas. Os pontos negativos ficam por conta dos “bugs” do sistema (comum em todos os aplicativos), que às vezes não registram o treino inteiro.

RUNTASTIC

runtastic

Registra todas as informações do treino (distância, pace, percurso e tempo) e ainda oferece planilhas de treinamento para quem quer perder peso, começar a correr, completar os primeiros 10km, fazer uma meia maratona e maratona (tanto para tempo como para completar pela primeira vez).

Os diferenciais ficam por conta do “Story Running” que são programas de treinamento em aúdio (em inglês), onde você recebe orientação e também motivação para treinar sozinho. São várias historinhas fictícias, desde a “sua jornada para perder peso” às “muralhas de alcatraz”, onde você entra na “viagem” de um atleta fictício do aplicativo para treinar.

Esses recursos são oferecidos à parte (US$ 0,99), assim como o treinamento intervalado. Os pontos negativos ficam por conta dos “bugs”do sistema no compartilhamento nas mídias sociais.

É o app mais completo para quem treina sozinho.

BCAA: CONSUMO AUMENTA RESISTÊNCIA E REDUZ FADIGA NA CORRIDA

comprimidos

Os aminoácidos são a menor unidade na constituição da proteína, sendo fundamentais na construção das células e tecidos do corpo. Também são responsáveis pela formação dos anticorpos que combatem infecções causadas por bactérias e vírus, além de participarem da atividade dos músculos e do transporte de oxigênio por todo o organismo, funções estritamente relacionadas a exercícios de intensidade moderada/alta e longa duração, como a corrida. Dentre eles, os aminoácidos de cadeia ramificada, conhecidos como BCAA (branched chain amino acids), têm sido apontados como importantes aliados dos atletas no que diz respeito ao aumento da resistência e redução da fadiga durante a prática, principalmente em se tratando de provas mais longas, como a maratona.

“Existe uma grande quantidade de evidências, baseadas em trabalhos desenvolvidos por diferentes e respeitados centros de pesquisa em todo mundo, que apontam os benefícios do consumo de BCAA antes e durante a atividade física de longa duração”, afirma o nutricionista Reinaldo Tubarão Bassit, doutor em Ciências pelo Laboratório de Metabolismo do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo e diretor da assessoria Total Nutrition Sports & Fitness.

Os BCAA são compostos por três aminoácidos – leucina, isoleucina e valina, considerados essenciais por não serem metabolizados pelo organismo, de modo que só podem ser fornecidos pelo consumo de alimentos ricos em proteína, como carnes e leguminosas como a soja e o feijão. Bassit explica que eles atuam como importante fonte energética para o músculo durante períodos de estresse metabólico, como no caso de uma maratona. “Durante uma corrida de longa duração, se o atleta não tiver consumido uma boa quantidade de carboidratos antes da prova, o nível de glicogênio tende a cair por conta do desgaste físico e o organismo então passa a utilizar os aminoácidos para gerar energia”.

A utilização dos BCAA pelo organismo para gerar energia, porém, faz com que a concentração desses aminoácidos na corrente sanguínea diminua, comprometendo a manutenção do sistema imunológico. Por isso, sugere Bassit, além do consumo regular, a suplementação de BCAA antes e durante a corrida é importante para manter esse aporte.

Essa suplementação, segundo o nutricionista, também teria efeito na prevenção da fadiga do sistema nervoso central (SNC), que é muito comum em corridas de longa duração e tem como característica a perda súbita de desempenho, ocasionada pelo comprometimento dos estoques energéticos em decorrência do esforço intenso e prolongado. Bassit cita estudos que vêm associando essa fadiga a um aumento de serotonina, neurotransmissor sintetizado no SNC e responsável pela regulação do humor, apetite, sono, contração muscular e algumas funções cognitivas. “A suplementação durante a prova contribui para manter o balanço BCAA/triptofano (aminoácido utilizado para produção de serotonina), uma vez que estes aminoácidos competem pelo mesmo sítio de entrada no sistema nervoso central. Assim, mantidas as concentrações plasmáticas de BCAA, mantém-se o fluxo adequado de triptofano para o sistema nervoso, evitando a fadiga”, esclarece.

Dentre os benefícios relacionados à ingestão de BCAA, o nutricionista acrescenta ainda a diminuição da formação de ácido lático no organismo, o que contribui para a redução da fadiga física durante o exercício, além de prevenir lesões musculares. Bassit, no entanto, salienta que a suplementação desses aminoácidos deve ser feita com o acompanhamento de um especialista, dentro dos limites adequados de consumo, para que o atleta possa obter os benefícios sem sobrecarregar os rins e o fígado.

Com informações do PORTAL TERRA

COLUNA DO DIEGO BERTOZZI: A FORÇA QUE NÃO VEM DOS PÉS

diego bertozzi

(*) DIEGO BERTOZZI

As provas de 10 km são as minhas favoritas. Cada um tem uma reação diferente, mas, no meu caso, o corpo se aquece depois de 3,5 a 4 km de corrida Por isso, a segunda metade do percurso é melhor, aquela em que você acelera no “piloto automático”. Mas, confesso que há um ano e meio eu não sentia mais esse bem-estar. Eu havia engordado e o excesso de peso parece dobrado quando você corre. Durante os treinos eu ficava ansioso e olhava o relógio várias vezes esperando o fim daquele tormento. Eu havia perdido o prazer de correr. Ao mesmo tempo, aquilo não me conformava. Read More

ACESSÓRIOS PARA UMA BOA CORRIDA: A IMPORTÂNCIA DO FREQUENCÍMETRO

frequencimentro_adidas

O coração é o músculo mais importante do seu corpo. Ele ajuda a informar a intensidade dos seus exercícios, o estado emocional e a velocidade com que você está utilizando as suas energias. Estes sinais  que o coração emite são chamados de frequência cardíaca, e a sua importância para qualquer um que pratique exercícios é a razão pela qual os monitores de frequência cardíaca sem fio foram desenvolvidos.

A frequência cardíaca representa o número de batimentos cardíacos em 1 minuto.

Treinar com um monitor é como possuir um treinador portátil e por tempo integral ligado ao seu corpo. Eles eliminam a incerteza da intensidade de treinamento e servem como excelentes guias para aqueles momentos em que você precisa avaliar precisamente sua performance e ajustar seu regime de treinamento.

Você conseguirá identificar reações que acontecem no seu corpo com a ajuda do monitor de frequência cardíaca, como o sub e super treinamento, velocidade, recuperação, fadiga, resistência. Relacionando a sua percepção com as situações de treinamento que o seu frequêncímetro está te dando você será capaz de seguir um programa de treinamento que fará sentido para o seu corpo.

Aqui vai algumas dicas que você precisa saber quando estiver usando o monitor de frequência cardíaca:

– Seu cinto torácico depende de uma certa quantidade de umidade para garantir a condutividade. Antes que você coloque o cinto em sua posição, umedeça o local onde os eletrodos estão em contato com a sua pele. Use água ou saliva.

– Se você estiver obtendo uma série de leituras erradas, verifique se o seu cinto está justo, o cinto frouxo pode ser a causa.

Teste Ergoespirométrico é um procedimento que avalia o desempenho físico máximo do paciente e mede a resposta de seu sistema cardiovascular, muscular e pulmonar à situações de esforço. São informações importantes para serem usadas nos programas de treino.

Existem cinco zonas diferentes de treinamento que correspondem a cinco diferentes níveis de intensidade de exercício. Todas essas zonas podem ser acompanhadas pelo o seu monitor de frequência cardíaca:

Zona L1 – 50 a 60% da FCMax (Zona das “grandes distâncias em ritmo lento”)

Zona L2 – 60 a 70% da FCMax (“Limiar de condicionamento aeróbico”)

Zona L3 – 70 a 80% da FCMax (Efeito treinamento, exaustão do corpo)

Zona L4 – 80 a 90% da FCMax (Nível “duro”)

Zona L5 – 90 a 100% da FCMax (Treinar no máximo)

Esperamos ter informado para vocês um pouco sobre o assunto!

Fonte: Sally Edwards

 

NUTRIÇÃO: VEJA ALGUNS MITOS DA ALIMENTAÇÃO ESPORTIVA

nutrição_esportiva

A última revista 02 trouxe uma matéria muito interessante sobre alimentação esportiva, listando mitos que muita gente usa sem qualquer embasamento técnica sobre a nutrição do atleta. Fazemos questão de compartilhar essa informação com os endorfinados. Não se engane mais! Dê uma olhada em quais mitos são esses:

1 – COMER A CADA TRÊS HORAS EMAGRECE

Ao treinar de estômago vazio o corpo automaticamente precisa fazer reposição de energia para manter o rendimento. Mas como ele irá disponibilizar energia sem reservas? Ele irá procurar nos músculos a energia necessária. Isso, além de causar piora na performance, vai fazer com que você “queime” a sua preciosa massa muscular. “Em vez de perder gordura, você estará perdendo músculos e poderá ter como reação tontura, suor frio e desmaios. No caso de atletas, o perigo é maior ainda, pois na maioria das vezes os treinos são intensos e extensos”, ressalta Carla Stefânia, nutricionista esportiva. Convenhamos, caro leitor, de nada adianta comer a cada 3 horas se você estiver ingerindo uma quantidade de calorias maior do que gasta. Por mais que alimentar-se com maior frequência possa ajudar na aceleração do metabolismo, o importante mesmo é ter um controle calórico. “Pegue qualquer indivíduo sedentário, mande-o comer 1.000 kcal a cada 3 horas e me conte o resultado… O mais importante para perder gordura é a proporção de macronutrientes e o saldo calórico negativo diário e/ ou semanal”, resume o nutricionista Rafael Oliveira de Lima.

2 – INGERIR OVOS INTEIROS É RUIM PARA O COLESTEROL

O ovo é uma ótima fonte de proteína, cálcio e fosfato. Mas para muitos é visto como vilão por ter alto índice de colesterol em sua composição — cerca de 213 mg por unidade. Mas é importante saber que nem todo esse valor vai para a corrente sanguínea. “Muitos estudos vêm mostrando que apenas uma pequena parcela do colesterol sanguíneo provém da dieta e que a maior parte é produzida pelo próprio organismo. Portanto, elevar a ingestão de colesterol não provoca necessariamente elevação significativa dos níveis da substância no sangue”, explica Paula Crook.

3 – TREINAR EM JEJUM É BOM PARA EMAGRECER

Ao treinar de estômago vazio o corpo automaticamente precisa fazer reposição de energia para manter o rendimento. Mas como ele irá disponibilizar energia sem reservas? Ele irá procurar nos músculos a energia necessária. Isso, além de causar piora na performance, vai fazer com que você “queime” a sua preciosa massa muscular. “Em vez de perder gordura, você estará perdendo músculos e poderá ter como reação tontura, suor frio e desmaios. No caso de atletas, o perigo é maior ainda, pois na maioria das vezes os treinos são intensos e
extensos”, ressalta Carla Stefânia, nutricionista esportiva.

4 – VOCÊ DEVE TIRAR O SAL DA DIETA

Sim, o sal tem de ser usado com moderação, mas tirado da dieta? Nunca! Isso porque ele é extremamente necessário para equilibrar a quantidade de líquidos presentes nos vasos sanguíneos e garantir um bom funcionamento do cérebro. Para corredores, que tendem a suar mais do que outras pessoas, ele é ainda mais importante, pois o suor faz com que nosso corpo elimine muito sódio. Com concentrações baixas deste micronutriente, o atleta pode sofrer com cãibras, mal-estar e enxaqueca. De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), 5 g de sal é a quantidade ideal que se deve usar por dia.

5 – CREATINA DEIXA O CORREDOR PESADO

O aumento de peso decorrente do uso da creatina em forma de suplemento é muito pequeno, sobretudo em corredores, que têm um gasto calórico elevado e cujo exercício não promove hipertrofia muscular. Ou seja, ainda que haja algum aumento de peso, ele não influenciará o rendimento. Como a creatina age no ganho de força e explosão, seu uso é recomendado, principalmente, a quem busca melhorar o desempenho em provas curtas.

6 – COMER CARBOIDRATO À NOITE ENGORDA

“Apesar da redução do metabolismo durante a noite, o consumo de carboidratos deve ser preservado, afinal, ele é fonte essencial de energia para o cérebro”, explica Paula . Sim, é importante restringir, principalmente em períodos distantes do seu treino, a ingestão de carboidratos simples (como o açúcar), pois eles estimulam a liberação rápida da insulina, que é antagonista do hormônio do crescimento (GH) — cuja redução está relacionada à diminuição da síntese proteica, da massa magra e óssea, e ao aumento do tecido adiposo. O ideal, portanto, é ingerir carboidratos ricos em fibras, entre eles os integrais.

7 – DIETAS RESTRITIVAS SÃO BOAS PARA PERDER PESO

Não são raros os relatos de pessoas que adotaram alguma dieta restritiva e logo falaram maravilhas
sobre os seus resultados. Sim, elas até podem te fazer perder peso. Mas será que isso é o mais
importante? Não! Isso porque o peso eliminado nesses “regimes” é, normalmente, de água e massa
muscular, já que o seu corpo tende a preservar a gordura — uma fonte de energia essencial para o
organismo. O melhor mesmo é fazer uma reeducação alimentar e emagrecer aos poucos. E tem ainda
mais um problema: o desempenho. “A baixa ingestão de carboidratos, normalmente cortados nessas dietas, afeta diretamente a performance”, diz Carla Stefânia. Vai arriscar?

8 – RETIRAR O GLÚTEN EMAGRECE

Não existe comprovação científica de que a retirada do glúten em pessoas sem a doença celíaca (intolerância ao glúten) provoque alguma alteração fisiológica — nem na balança. Muitas pessoas entram nessa confusão porque esse nutriente é normalmente encontrado em alimentos como bolos, pães, pizzas e biscoitos, que pelo seu alto valor calórico, quando tirados da rotina, proporcionam uma perda de peso.

9 – INGERIR MAIS POTÁSSIO VAI ACABAR COM AS CÃIBRAS

Não se engane, a falta deste nutriente não é o único fator que pode te levar a ter cãibras. Outras substâncias estão envolvidas no processo, como influências patológicas e o próprio nível de condicionamento do corredor. A falta de potássio pode, sim, ser a culpada — mas nem sempre a relação é verdadeira.

GEL DE CARBOIDRATO – DICA DE HOJE – ACESSÓRIOS PARA UMA BOA CORRIDA

Já faz tempo que o gel de carboidrato se tornou companheiro inseparável de quem corre com regularidade e tem foco em desempenho. Muitos amadores, no entanto, entraram na onda sem informações suficientes sobre seu uso correto. Você sabe quando e por que ele é necessário? O consumo dos sachês ajuda a recarregar os estoques de energia e melhorar o rendimento na corrida, mas muitas vezes é dispensável ou pode ser substituído por alternativas naturais.

gel de carboidrato“Nosso estoque de glicogênio hepático e muscular (carboidrato armazenado) é pequeno e se esgota rapidamente com a prática de exercício. O consumo de carboidratos de rápida absorção durante a corrida fornece glicose e permite a continuidade da atividade, retardando a fadiga”, explica a nutricionista Paula Crook, da PB Consultoria em Nutrição. “Isso também evita a utilização de proteína como fonte de energia. Assim, ela não é desviada de sua principal função, que é o crescimento, manutenção e reparo dos tecidos musculares”, complementa.

Mas esse processo só ganha importância depois de uma hora de corrida. “É a partir daí que o consumo do gel passa a ser indispensável para garantir um aporte adequado de energia durante o treino, evitando a redução dos estoques de carboidrato do corpo”, defende a nutricionista. “Para facilitar, recomendo um gel de carboidrato (de 20 g a 30 g) a cada 40 minutos ou a cada 7 km, caso a corrida dure mais de uma hora.”

Para quem não gosta do suplemento, que deve ser sempre consumido acompanhado de água, há alimentos ricos em carboidratos que também são absorvidos rapidamente e que podem ser usados em treinos e provas.

Alternativas para o Gel de Carboidrato

Alimento
Carboidrato
1 pedaço de rapadura (30 g)
27 g
5 batatas inglesas cozidas sem casca (150 g)
27 g
1 bananinha com açúcar (37,5 g)
28 g
2 bisnaguinhas
26 g

Com reportagem de Mariana Gianjope do portal “Sua Corrida”.

  • Page 1 of 2
  • 1
  • 2