Délio Pinheiro: Quando é necessário dar um tempo

Posted by: Endorfina | Posted on: novembro 1st, 2016 | 0 Comments

Quando é necessário dar um tempo

maratona-de-bostonUma fisgada na coxa, um desconforto no joelho ou mesmo um resfriado forte são motivos suficientes para afastar qualquer atleta de suas atividades. Mas diferentemente dos profissionais, que contam com equipes médicas sempre ao alcance das mãos ou, neste caso mais especificamente das pernas, nós amadores penamos com as consequências de um afastamento dos treinos.

Nestes quase três anos de corrida nunca tive uma contusão que me impedisse de parar de correr, mas isso só não aconteceu porque costumo ficar alerta aos sinais sutis que o corpo manda. A dor é a melhor conselheira e basta ela surgir em algum lugar de meu corpo que logo aciono o sinal de alerta e abstenho-me de correr durante dois dias. É batata!

E está aí uma coisa importante que observei nestes anos de treinos: meu corpo não foi feito para correr todos os dias. Ele simplesmente não funciona assim. Mas existe um bocado de subjetividade nisso, e o que vale para mim certamente não se aplica a outras pessoas, que parecem ter parentesco com algum X-men.

Ao ler uma publicação da Runners World vi que, de fato, o ser humano é múltiplo. No livro tem uma entrevista com o grande maratonista queniano, que lograra êxito em três grandes provas, Boston e Nova Iorque em 2011 e Berlim em 2012 e cravara um tempo incrível na prova mais clássica, e dura, do atletismo: Duas horas, três minutos e dois segundos. Isso mesmo! Mestre Mutai, que não tem treinador, se aproximou de baixar o tempo da maratona para a incrível marca de menos de duas horas.

O que devemos ver em breve, tamanha é a evolução dos formidáveis africanos. Mesmo com um resultado tão impressionante, Mutai guarda os domingos, onde se dedica, de acordo com o livro, a atividades religiosas e familiares. Ele treina sozinho e diz conhecer cada detalhe de seu corpo e busca atingir metas cada vez mais audaciosas.

No mesmo livro, na última página, tem um perfil do brasileiro Jacques Fernandes, que conseguira baixar o seu tempo para menos de três horas na maratona, um sonho para qualquer corredor amador. Seu tempo era de duas horas e cinquenta e oito minutos. O detalhe é que Fernandes treinava todos os dias! Em seis dias ele corria, e no único em que não dava suas pernadas, seguia cheio de disposição para a musculação, e ainda encaixava duas sessões de natação nesta rotina.

Cada um no seu ritmo, e ambos grandes corredores, um profissional e outro amador. E o que estes exemplos nos ensinam? Que para ser um bom corredor não é necessário uma fórmula. Cada corpo reage de uma maneira específica. No início eu corria três vezes por semana e isso me trouxe muitos benefícios. Neste ano incluir a musculação duas vezes por semana, e sinto que melhorei ainda mais. E ainda tento encaixar pelo menos um dia de tênis neste caldeirão, mas confesso que ando meio relapso neste aspecto.

Portanto, mexa-se. Os especialistas em atividades físicas afirmam que bastam três sessões de caminhada de trinta minutos cada para trazer mais qualidade de vida para qualquer pessoa. O que vier depois disso é lucro. O fato é que sua vida dificilmente vai ser a mesma depois que o exercício te arrancar do sofá e do Netflix por alguns minutos para te fazer suar, cansar, viver… E nada melhor para quem quer ver muitos filmes, ler muitos livros e ter muitos amores, mesmo que seja com a mesma pessoa especial, do que adicionar anos adicionais em sua vida.

A propósito: Pela primeira vez na minha vida de corredor terei que ficar uma semana de molho. Fiz uma pequena cirurgia para extrair um linfonodo em minha garganta. O médico pediu sete dias de repouso até que ele possa tirar os pontos.

Pretendo seguir a recomendação à risca. E se não há nada que eu possa fazer de imediato só me resta terminar a terceira temporada de House of Cards no Netflix, não é mesmo?

Délio Pinheiro Endorfina

Délio Pinheiro

Jornalista, repórter e apresentador da INTERTV Grande Minas/Rede Globo, endorfinado de carteirinha.

 

 

Talvez se interesse por outros textos de Délio:

Leave a Comment